Quem anda de skate também faz moda

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

Pode parecer engraçado usar esse título pro post de hoje, mas é uma grande verdade. Como meu irmão anda de skate, outro dia ele me convidou para ir com ele no IAPI (praça de skate em Porto Alegre), e eu fui. Chegando lá a minha grande surpresa foi descobrir que uma galera usava muita coisa estrangeira (atenta na moda), faziam as próprias calças (alguns modelaram até skinnys) e usavam peças que conversavam entre si. Admito que eu me impressionei, porque eu tenho alguns amigos que andam de skate mas eles não são ligados em moda, porque como eles mesmo já me disseram “o importante é estar se sentindo bem“, e eles tem toda razão. Talvez o careta fosse eu em pensar que tribos diferentes aparentemente não fizessem parte do mesmo propósito. Como eu já comentei aqui anteriormente, a moda faz parte de tudo. Ela literalmente está em tudo. Tonto fui eu em pensar que uma tribo que gosta de andar sobre um shape de quatro rodas não pudesse se interessar sobre o que é tendência ou não. E é justamente esse o ponto. Nós hoje vivemos e dizemos estar num século onde o diferente está se moldando para o individual comum, ou seja, ser você mesmo é ser IT de verdade.  Aquela velha imagem de que skatista usava calça 48 vestindo 40, camisetões e bonés de abas retas ficou tão ultrapassada quanto chamar jeans de brim coringa. Meu propósito gente não é criticar a imagem que cada um faz desse movimento, mas sim mostrar que dentro dele várias tribos estão juntas, conversando e interagindo, inclusive sobre moda. E pra não ficar tão clichê falar de mudanças de pensamento, eu queria contar que no próximo Street Style vocês vão conferir uma galera diferente, com atitude e gostando daquilo que é bom para si próprio na moda, e isso não é ser IT? 🙂  Pra finalizar, a dica que o mundo sempre contou mas que muitos ainda não aprenderam: “não julgue os outros pelas aparências, porque elas enganam”. Ninguém é melhor do que ninguém, mas justamente por isso ninguém é obrigado a gostar de algo ou de alguém, portanto respeito é a base do concentimento social, mais conhecido como sociedade, da qual você felizmente faz parte.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *