E se eu falar?

9 Flares Twitter 0 Facebook 9 LinkedIn 0 Filament.io 9 Flares ×

“Existem momentos nas nossas vidas que o silêncio é a maior tortura que alguém pode fazer para si mesmo. Em acasos e desencontros inexistentes, o ser humano consegue ser capaz de burlar as normas do amor, de sentir o respeito do ar e de olhar no fundo dos olhos e dizer para si mesmo que está apaixonado. Todo mundo gosta de prosa e de poesia. Todo mundo vive uma vida enrolada que se desenrola no entardecer de cada manhã. Quem nunca amou, que saiba escutar e perseverar ao outro como a si mesmo. Quem nunca beijou, que feche a boca para as bobagens da vida, que aprenda a responder verdades e ignorar as mentiras.
E se eu resolver falar? Falar de amor, de paixão, de sentimento ou do coração? Se eu falar de mágoa, do rancor, do desalento ou do sabor, será que resolve? Ah, se eu falasse das dores que sinto, dos tormentos que já passaram e das memórias que ficaram, talvez aprendessemos mais sobre o que responder para a vida.
Dia após dia o meu mundo acaba mais rápido que o seu. A cada segundo mais velho eu fico, procurando compreender as mesmas questões que me fizeram vir a escrever. Mas agora, será que eu conto?”

4 Comentários

  1. Dentro de ti estão capacidades, qualidades e sentimentos em maior número do que possas imaginar. A força que tu tens dentro de si é fonte geradora de energia, de vida e de amor.
    Quando tocar nessas forças internas, exercitá-las e amá-las, elas se agitarão, se levantarão e farão de ti uma nova pessoa. Descubra-se. Aja Positivamente! Somente os bons pensamentos põem em ação as forças positivas que há dentro de ti. Luz e Paz sempre.

  2. É preciso definir o homem sentimental não como uma pessoa que experimenta sentimentos (porque todos somos capazes de experimentá-los), mas como uma pessoa que os valorizou.
    Desde que o sentimento seja considerado como um valor, todo mundo quer experimentá-lo; e como todos nós temos orgulho de nossos valores, é grande a tentação de exibir nossos sentimentos mais nobres. Continua na trilha do Bem e da Luz!
    [Milan Kundera In: A Imortalidade]

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *