Palestra de Karen Von Godtsenhoven, do MoMu, em Porto Alegre

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

MODA FORA DO EIXO 

Sabem aquelas experiências que a gente nunca imaginou que teria a oportunidade em vivenciar hoje, com a idade que se tem, no lugar onde se está morando? Pois é, foi exatamente isso que aconteceu nesta semana, onde eu tive a grande felicidade em conhecer uma das pessoas com maior influência na moda mundial por tamanha sua expertise: Karen Von Godtsenhoven. 

Karen, para quem ainda não sabe quem ela é, é a curadora do museu de moda mais importante do mundo, o MoMu, que fica na Antuérpia (Bélgica), e que veio para Porto Alegre a convite de Eduardo Motta que juntamente com As Patrícias proporcionaram uma palestra exclusiva para 80 pessoas num dos lugares mais especiais da capital gaúcha: o Santander Cultural.

PalestraKarenVonGodtsenhoven_MoMu_Antuérpia_Porto Alegre2

Um dos primeiros ensinamentos passados por Karen foi: “mantenha os amigos por perto“. Isso pode parecer bobo, mas segundo ela faz uma diferença danada na maneira como as coisas tendem a se comprometerem. Aprendi, a partir desta frase, que grandes marcas são só o que são no presente por causa das grandes parcerias (quiçá irmandades). E assim, tudo transcorre em nossas vidas, vocês não concoram?!

Karen também disse que para a Antuérpia se tornar o conceito “escola modelo de moda” para o mercado, foi fundamental acreditar na educação, pois sem ela, os alunos jamais teriam aberto os olhos do mundo para a moda da Bélgica (e mais ainda para a Antuérpia, claro). Ela ainda fez um paralelo com a moda brasileira, logicamente percebendo as dimensões continentais que o nosso Brasil possuí, mas muito inteligente ao afirmar que aqui, nós brasileiros no Brasil, enfrentamos um problema que a Bélgica também já enfrentou que é acreditar na qualidade e principalmente na identidade da moda local. Diferente de nós, os belgas se deram conta disso muito cedo e portanto, têm Raf Simons a frente de uma das casas mais importante e também imponente de toda a história mundial: Dior. Achei muito oportuno também uma outra colocação que ela disse mais ou menos assim: “A diferença para nos fazer diferentes é a atitude com a qual olhamos o mundo através do nosso mundo (isso sem parecer sermos um E.T), mas sim, únicos!“.

PalestraKarenVonGodtsenhoven_MoMu_Antuérpia_Porto Alegre

A vantagem dos dias de hoje e, principalmente, da nossa geração (vulgo geração millenium) é estarmos amplamente ciber-conectados, pois sem ao menos termos pisado fora de nossos países, temos a grande possibilidade em experimentar vivências locais a níveis mundiais, o que é muito importante para o aculturamento e também para o aprimoramento daquilo que cremos ser correto e coerente para as nossas vidas.

Gosto tanto desse ramo da globalização, que reconheço a importância de ter tido a oportunidade em aparecer em matérias na Ásia, na Europa e na América do Sul este ano, e isso sem ao menos ter saído do país, o que de fato é realmente único para esse momento histórico que estamos vivendo.

“Para ser cultural não precisa ser caricato.” PONTALTI, Patrícia

Pude ouvir também que conseguir se desprender do mundo é algo que nos faz abrir as portas para que ele nos aceite em seu todo. O fato de morar em Porto Alegre (ou onde quer que seja) é apenas um detalhe, pois o “querer dar certo” nos obriga a não pertencer a um local, mas sim, pertencer ao mundo.

PalestraKarenVonGodtsenhoven_MoMu_Antuérpia_Porto Alegre1.jpegPara quem me segue nas redes sociais (siga aqui na lateral direita) deve ter percebido esse super momento o qual conheci Karen Von Godtsenhoven.

Enxergar o Brasil como um território nos obriga a perceber que a moda é também obrigatoriamente diversificada e por isso, necessita-se encontrar-se nos eixos entre cada região. O que isso de fato quer dizer é que fora do eixo RJ e SP também existe moda e que essa moda não precisa ser caricata ou regional, mas sim, mundial!

Embora o post esteja bem extenso, acredito ser muito válido dizer que a minha admiração pelas Patrícias (P. Pontalti e P. Parenza) não é de hoje, elas sabem. A minha surpresa veio quando eu me deparei com o slogan delas: As Patrícias – Inteligência em Moda. INTELIGÊNCIA EM MODA, gente isso é realmente perfeito, pois o que é moda? Moda é um comportamento inteligente, portanto, termos tido essa grande oportunidade em ouvir relatos, conhecer cases de sucesso e aprender com os erros dos outros, foi algo único e realmente especial. Karen me fez acreditar que a moda e o mercado dela precisa, de pessoas inteligentes e de todo o conhecimento técnico e estratégico para mapear aqueles/aquilo que tenham potencial para ser promissor.

Para encerrar, Eduardo Motta (outra célebre personalidade intelectual) disse uma frase incrível, “Não tem de ser conservador para dar certo!“, onde concluí que independente das semelhanças ou das diferenças entre as referências de Brasil e Índia, Itália e China, França e Argentina (seja lá quais forem as suas comparações), tudo acontece se nós nos dedicarmos e principalmente, nos empenharmos em fazer dar certo. Aprendi naquela palestra que de fato não existe uma fórmula para o sucesso, mas existe o comprometimento e o quanto nós nos dedicamos à ele. Isso faz as coisas acontecerem.

Um brinde cultural ao sucesso de todos nós!
Grande abraço, Matheus.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *