O que aprendi com a Vogue Brasil na Maratona MUDE?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

Vivemos um momento na moda onde muito se tenta globalizar e pouco se tenta desencaixar-se dos moldes feitos por aqueles a quem gostamos de seguir.

Inevitável caminharmos por rumos distintos, onde o nosso próprio desenvolvimento pessoal/profissional é quem ditará as respostas de nossas escolhas. Partindo deste ponto é que a Vogue Brasil, através de Ítalo Massaru (diretor de arte) e Clayton Carneiro (diretor de arte), dois gênios por de trás da revista que se tornou uma das 6 mais importantes do mercado da moda internacional e que tem ajudado o mundo a abrir os olhos para as terras tupiniquins, trouxeram no finzinho do mês passado uma palestra que para mim foi um tesouro em forma de aprendizagem.

2 gênios por de trás da revista mais especial da moda brasileira;

Antes de começar a explicar o que é a Maratona Mude, quero dizer que pretendo contar sobre ela num post especial (que eu sei já estar atrasado, não me julguem). Mas também já posso adiantar que essa oportunidade foi propiciada através do convite da Rádio Itapema FM, onde fui convidado para fazer a cobertura do evento. 

Quem me conhece sabe que trabalhar na Vogue é mais ou menos aquele sonho que a gente sonha um dia quem sabe alcançar. Sei que tenho apenas 18 anos, ou seja, ainda tenho muito mundo para conhecer. Porém, o fato de ter escutado durante mais de uma hora dois homens cuja capacidade criativa (agregados a uma das melhores equipes do mundo, em criação e comunicação de moda), foi fundamental para conseguir compreender o quanto desenvolver a imagem de moda tem representado uma enorme parcela na reconstrução da imagem do Brasil no mundo.

Já faz algum tempo que estamos tentando desvincular o índio, a amazônia, o samba e o Pelé da grande massa brasileira. Ser brasileiro é muito mais do que isto. Ser brasileiro é ter alma, ter convicção, ter determinação e perspicácia na hora de agir (seja o âmbito qual for). Por isso, a Vogue Brasil em mais ou menos 8 anos, conseguiu realizar um trabalho de identidade entre todas as Vogues do mundo, entrando no ranking das 6 mais importantes e estando entre as revistas mais especiais do mercado da moda.

OK MATHEUS. LEGAL SABER QUE A VOGUE É A VOGUE. MAS O QUE DE DIFERENTE, DE FATO, TU ESCUTASTES NA PALESTRA DESSES DOIS FERAS? 

Bem, o objetivo capitaneado por Daniela Falcão (editora de redação) para com toda a equipe Vogue era antes de tudo apresentar um Brasil brasileiro e que ainda assim, continuasse vivo, não escrachado, não caricato, mas poético, elegante, sofisticado e também simples. Entre tantas outras características, uma das metas era adentrar a competição internacional e mostrar que a revista produzida para o público brasileiro, não era apenas mais uma revista (mesmo sendo uma Vogue), mas ela é acima de tudo uma tradução da alma e do espírito brasileiro transparente em cada pontinho desse país continental.

Adorei conhecer as inspirações, as trapalhadas, os vários causos e situações engraçadas vivenciadas por essa turma da redação. Admito que me senti ainda mais empolgado em um dia estar lá, fazendo parte destas mesmas trapalhadas e muitas vitórias feitas pela revista que desde muito cedo já conquistara o meu coração.

10302045_4667213454730_5902487675345310867_nEu em meu momento tiete nos bastidores do evento!

Ser brasileiro é ser humilde em reconhecer que não somos um povo colonizador, mas fomos colonizados para aprender a aceitar e fazer a diferença. Precisamos parar de diminuir tudo aquilo que é feito em solo nacional, que é produzido por gente como a gente que também sofre, que também sorri, mas que é brasileiro. Portanto, ser brasileiro é saber respeitar e conseguir conscientizar de que nada é duradouro, mas tudo pode ser mudado.

Amei ter aprendido e enriquecido com esses 2 caras que muito me ensinaram.

Vogue, um dia estarei com vocês. Me aguardem!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *