Do On pro Off como Jamais Imaginaram Ser Possível

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

Todas as vezes nos últimos sete anos em que decidimos compartilhar algum tipo de informação na internet, nos tornamos completamente responsáveis por aquilo que compartilhamos. O mundo, naquela época, era outro. Acabara de ter saído dos primórdios da internet discada para a tão sonhada internet wi-fi. A gente ainda insistia em carregar câmeras digitais de bolso para registrarmos e compartilharmos todos os nossos momentos com as redes sociais. A “selfie” ainda não havia sido descoberta e a comunicação era ainda compartilhada em comunidades e perfis individuais, porém, não vivíamos a internet como a vivemos hoje.

Se em 2010 o mundo começava a questionar a importância dos bloggers em todo o seu redor, em 2017 observamos uma consagração no mercado. Muito já foi questionado o quanto esses influenciadores digitais poderiam de fato tornar como verdade aquilo que outros veículos levaram anos para construir. Em sete primaveras, muita coisa mudou. Escrever um blog nos dias de hoje já não é mais a mesma atividade do que escrever em 2010. Depois dos textos, migramos para as fotos, que mais tarde viraram vídeos e aí houvera a ascensão do maior canal de áudio-visual do mundo: o youtube. A televisão perdeu o espaço único que tinha no coração de seus telespectadores e as plataformas de streaming começaram a adquirir um número colossal de usuários. O mercado mais uma vez mudou, trocando o dinheiro de mão em mão e possibilitando mais espaço para quem optou em investir na internet. As redes sociais passaram a ser um reality show aberto para quem quiser se expor. Pluralizamos a maneira de comunicar e todos, sem exceção, tiveram que se moldar a forma de produzir e gerar conteúdo para o mundo.

Quando percebemos que no momento atual não existe uma ou outra forma de criar conteúdo, mas sim um conjunto delas, é que observamos o quanto pode ser investido em qualquer área, em todos os setores e de múltiplas maneiras com o todo, desde que estejamos conectados. Já não vivemos mais num planeta com uma Terceira Guerra oficialmente travada, vivemos em uma silenciosa e quente guerra sem fronteiras. O mundo inteiro deixou de ter suas delimitações territoriais e a internet passou a ser um enorme campo de batalha. Vive e se permanece vivo, aqueles que sabem gerar conteúdo, sabem vender as suas imagens e sabem lidar com as mudanças do On para o Off.

Hoje, pessoas que assim como eu “nasceram na internet”, desbravaram uma maneira de se comercializar o mercado internacional de uma forma completamente distinta da maneira a qual comercializava-se. Nunca foi pensado até 2010 que influenciadores digitais tomariam conta dos mais variados nichos e praças que o mundo já havia visto, não precisando mais apresentar-se na maioria das vezes com o conteúdo físico, mas sim, com uma boa base digital e com uma extensa numeração de seguidores. Marcas em todo o globo têm aderido a parceiros, contratados e personalidades que possuam um forte engajamento digital, pois com ele, tudo se paga em poucas semanas e o lucro é sempre maior.

Quis muito escrever essas palavras, porque venho observando um reflexo desse contexto no cotidiano geral, em como nós que nascemos na internet ganhamos espaço, mercado e respeito fora dela. A internet já foi a minha principal plataforma de desenvolvimento, hoje, ela é um acelerador daquilo que sou. Ela me apresenta para o mundo, me faz ser conhecido nele, me conecta com todos aqueles que quero estar conectado, me faz estar em todos os lugares e me abre incontáveis portas e janelas no mundo off-line.

Se um dia, alguém imaginou que a internet seria tão essencial fora dela, provavelmente não imaginaria o tamanho do impacto que viveríamos do mundo On-line para o mundo Off-line, gerando uma convergência entre eles e fazendo-nos estar inteiramente conectados entre os dois.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *