UMA VIDA EM UMA DÉCADA

Lembro-me quando fiz 10 anos e me dei conta de que havia completado as duas mãos com todos os dedinhos preenchidos de idades já feitas… Aquilo representava um novo mundo, quase como uma nova vida. Naquela época, tudo o que eu mais almejava era ganhar meu primeiro telefone celular (a internet começava a se tornar banda larga em minha casa, mas estava longe de existirem smartphones) para assim me sentir mais “conectado” com o “mundo” daquele agora.

Como os tempos mudam! (e voam com uma intensidade absurda)

Fechar 2019, 10 anos depois de tudo o que se foi vivido de 2009 em diante, foi uma tremenda loucura evolutiva. Afinal, se passou uma longa década. E eu quis dizer, 10 anos. DEZ ANOS!!! Uau. Ta aí um momento simbólico em que vale a pena ser notado e com certeza, refletido. Porque é quase como se estivéssemos vivido uma outra vida em uma só década!

Há 8 anos decidi dar início a essa url que se tornou o meu maior portal de visitas para o mundo. Foram incontáveis trabalhos, projetos, afiliações e momentos que me trouxeram para o Matheus do agora. E ser o Matheus do agora representa ter conseguido chegar até aqui, conquistado tudo o que conquistei até aqui.

Por isso, decidi escrever esse post para a posteridade. Tudo o que almejo estará escrito a baixo e não terá outro sentido se não continuar tentando ser aplicado:

Que venha 2020 e toda a sua nova era. A tour (como diriam nos grupos de facebook) já começou e a mudança é contínua no agora!

3 MOTIVOS PARA VOCÊ TRABALHAR O SEU MARKETING PESSOAL

Todo mundo conhece alguém que conhece alguém.
Essa é a regra número 1 de qualquer relacionamento. Acontece que na maioria das vezes as pessoas acabam por não reconhecer todos aqueles com quem cruzam e que de alguma maneira interagem com elas, criando assim, uma nova conexão. Por isso vou apresentar para vocês 3 motivos pelos quais todo mundo precisa trabalhar o seu marketing pessoal:

Partindo dessa tríade, compartilho 3 possibilidades para que você consiga trabalhar ainda mais o marketing pessoal na sua vida:

IDENTIDADE  

As pessoas costumam esquecer que marca não é somente aquilo que compramos ou consumimos em algum centro de compras. Marca é, entre muitos significados, identidade. Por ela ser e ter identidade é que nós precisamos compreender o quanto carregamos conosco (e deixamos para o mundo) marcas de quem somos.

Se a cada novo dia somos uma nova pessoa, como podemos deixar o entendimento de que temos identidade, se eu mesmo posso alterar um pensamento ou uma função? A resposta é simples mas não modesta: tenha identidade nas suas convicções. 

O mundo só acredita naquilo que ele enxerga, logo, mostre à ele o que há de melhor em você!


NECESSIDADE

Partindo do entendimento de identidade e já compreendendo que deixamos uma parte de quem somos para qualquer pessoa com quem interagimos, é importante saber que as relações (sejam elas quais forem) têm necessidades… E por isso, precisamos contar, explicar e se preciso, relembrar, características que possam ser úteis para os outros e/ou para o mundo. 

Vale ressaltar que o mesmo aplicamos em constante realização de modo rotineiro e não tão racionalizado: lembramos das pessoas pelo que elas nos comunicam sobre quem são. Assim, se precisamos delas, sabemos à quem recorrer.


INTERAÇÃO 

Quando interagimos com o cotidiano da vida, muitas vezes não percebemos o quanto a conexão criada por nós ou por outros, impacta no que estamos fazendo, no que já fizemos e no que faremos logo mais. Por isso, todos nós somos uma marca que imprime necessidades ao mundo, para que ele entenda como agiremos a partir de então.

É importante percebermos que contato não significa ser um networking. Mas conhecer alguém significa carregar consigo parte de quem encontramos, e uma das frases populares brasileiras mais faladas no país, nunca fez tanto sentido antes: “a primeira impressão é a que fica“. Só que existe um porém: ela só “fica” porque interagimos com alguém, sentimos e entendemos algo sobre o indivíduo.

MASTER CLASS SOBRE MARKETING PESSOAL

Que alegria ter a oportunidade em voltar mais uma vez para a instituição aonde me graduei em Marketing para falar sobre a minha maior especialidade de mercado. Dessa vez dividirei a turma com o coordenador do curso, sendo a aula fechada para os alunos do centro universitário.

FLORESTA AMAZÔNICA

2019 tem sido um grande ano para a minha vida profissional. Dessa vez, tive a imensa oportunidade em ir palestrar sobre Branding & Tendências da primavera 2020, com a Colcci em Manaus (capital do Amazonas). Por estar na região, consegui estender o meu final de semana e fazer um legítima imersão na Floresta Amazônica. Confira a baixo um pouquinho dessa experiência:

Entre os sentimentos que pude sentir, a plenitude é a certeza de que somos tão ínfimos quanto complementares, clareza da qual só a natureza é capaz de nos fazer sentir.

Assistir ao encontro das águas dos rios Negro e Solimões (Amazonas) é um daqueles momentos que você pensa: estudar faz sempre muito sentido – porque só Deus sabe como eu estudava para geografia nos tempos da escola. Espetáculo natural à parte, a experiência de ver duas águas não se misturarem, só reiterou a ideia do quanto as diferenças não precisam serem iguais tão pouco afirmativas umas com as outras; no entanto, podem sempre conviver harmonicamente bem juntas. Isso é o mais incrível!

Pude também boiar com os botos e vê-los serem alimentados, um sonho que se realizou! E nesse momento, eu me senti quase como se estivesse com um cachorro golden retriver na água doce, pois o boto cor-de-rosa é um animal dócil, elétrico e inteligente. Essa experiência foi sensacional também.

Em paralelo a toda esta imersão, andar pela floresta em trilhas e palafitas só registraram o meu sentimento de gratidão a toda aquela plenitude natural. Vi a famosa borboleta azul passar por mim (mas não consegui fotografa-la a tempo), convivi com macacos, e estive em contato direto com uma flora altamente plural e viva… Ao ponto de encontrar a tão famosa Sumaúma, a rainha da floresta.

Se tudo o que eu já havia visto, sentido e vivido me completou, deparar-me com uma árvore que chegará até seus 800 anos de vida, foi algo que ainda estou assimilando, pois confesso que me coloquei a repensar no quanto tenho carregado comigo sentimentos que nem sempre são positivos. Comecei a me permitir (re)pensar no que tenho feito comigo, uma vez que se eu não vou chegar nem perto do tempo de vida da Sumaúma, porque carregar efeitos e feitos não tão felizes? A gente tem sempre o direito de escolher. E bem, eu escolhi ser muito feliz!

Foi aí, que na sequência disso tudo eu pude conhecer a tribo nativa da floresta amazônica, os Dessanos. Num misto de emoção com euforia, ouvi histórias sobre como podemos nos conectar energeticamente com o que desejamos e como podemos fazer para nos despir de emoções das quais não nos pertecem. Mágico! Mas ainda assim, extremamente real.

Que experiência meus amigos.
Para toda a vida!